Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge

Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge


Proporcionar encontros multiculturais que possibilitem a troca de saberes e fazeres. Esta é a missão da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, nascida em meio ao cerrado goiano, em 1997, no distrito de São Jorge, antiga vila de garimpeiros, à entrada do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Valorização cultural, força, fé, alegria, resistência e diversidade são os valores que norteiam a história do Cavaleiro – como é chamado pela comunidade –, erguido em paredes de pedra toá, típica da região, com o propósito de ser um espaço democrático para manifestações da cultura popular tradicional e um símbolo sustentável de fortalecimento das expressões da diversidade cultural.

Em julho de 1998 e 1999, a Casa realizou dois festivais independentes de cultura, contando somente com o voluntariado de seus membros e da comunidade. Mal se imaginava que ambos se tornariam o alicerce de um projeto muito maior, que nasceria em julho de 2001: o I Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros. Com o propósito de reunir expressões culturais tradicionais do Brasil, com destaque aos grupos da Chapada, se tornou um grande encontro anual de música, dança e fé.

A partir do Encontro, novos projetos socioculturais começaram a fluir. Em 2003, a Casa de Cultura ganhou a parceria e os sonhos da artista popular Doroty Marques, que aqui instalou o Turma Que Faz, que envolve as crianças e adolescentes da região da Chapada dos Veadeiros em atividades educativas, artísticas, culturais, esportivas e ambientais. Alguns anos depois, em 2007, foi a vez da Aldeia Multiétnica ganhar vida e proporcionar vivências e integração com costumes, tradições e modos de vida de etnias indígenas do Brasil e das Américas. 

Ao longo do ano, a Casa de Cultura continua com atividades socioculturais pontuais, como palestras, oficinas de capacitação, vivências indígenas na Aldeia e comemorações religiosas do calendário popular, como a Semana de Jorge, em homenagem ao santo padroeiro da vila, São Jorge. As portas estão sempre abertas aos grupos minoritários que desejam expandir seu trabalho e essência, assim como artistas de todo o Brasil.  Aos fins de semana, o Cavaleiro também realiza bailes de forró e de outros ritmos brasileiros. É o maior espaço cultural da Chapada dos Veadeiros.

Recebemos grupos de estudantes, de qualquer idade, para uma imersão na cultura local da Chapada dos Veadeiros, junto aos monitores do projeto Turma Que Faz. Oferecemos um dia de programação com aulas de percussão e tecido acrobático, além da apresentação do espetáculo Peña Folclórica.

A equipe da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge mantém contato constante com as comunidades tradicionais que participam dos projetos, com o objetivo de trocar informações, pensar em novas ideias, ajudar no que estiver ao seu alcance e documentar as práticas culturais, sociais e históricas desses povos por meio de reportagens, fotos e vídeos para suas redes sociais e sites.

Em reconhecimento de sua importância, a Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge foi nomeada Pontão de Cultura pelo Ministério da Cultura e recebeu prêmios como o Cultura Viva, do mesmo Ministério, que a selecionou como uma das 10 melhores iniciativas em prol das culturas populares e tradicionais do País. Em 2015, o Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros foi consagrado com o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, concedido pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), na categoria II, que contempla iniciativas de excelência na promoção e gestão compartilhada do Patrimônio Cultural. O prêmio prestigia ações que demonstram compromisso e responsabilidade com a preservação do patrimônio cultural brasileiro. Em 2017, a Casa de Cultura foi contemplada com o Prêmio Culturas Populares - Edição Leandro Gomes de Barros, promovido pela Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura. Em 2018, o Projeto Turma Que Faz recebeu o segundo lugar do Prêmio Itaú-UNICEF.

Siga @casadeculturacavaleirodejorge e @encontrodeculturastradicionais